Sindrome do Pânico na mulher: Como ela afeta as pessoas

Sindrome do Pânico na mulher: Como ela afeta as pessoas (foto: internet)
Sindrome do Pânico na mulher: Como ela afeta as pessoas (foto: internet)
Sindrome do Pânico na mulher: Como ela afeta as pessoas (foto: internet)

Diante de tanta correria que temos vivenciado nos nosso dias, algumas doenças tem se tornado frequentes na população brasileira e mundial. Doenças muitas vezes ligadas ao estresse e a falta de cuidado com si mesmo. Com tantas informações que são jogadas em nós por meio das telas, a mente fica agitada com diversos pensamentos para assimilar ao mesmo tempo e, esse é um dos motivos que tem causado distúrbios mentais, como a síndrome do pânico. Veremos nesse texto como essa síndrome afeta as pessoas.

Conhecendo melhor

Muitas campanhas são realizadas em prol do cuidado com a mente, temos a tendência de cuidar apenas do nosso corpo exterior, mas esquecemos que o que rege ele é o interno. A preocupação com a saúde mental tem ser levada a sério e buscar o cuidado também com nossos pensamentos e emoções.

A sindrome do pânico é um transtorno de ansiedade onde ocorrem crises inesperadas de grande desespero e medo profundo de que algo ruim vai acontecer mesmo não tendo nenhum motivo ou perigo para que isso aconteça.

As pessoas que sofrem desse transtorno tem várias crises de medo intenso de forma inesperada e recorrente. Essas crises vão aumentando e dificultando o dia a dia do indivíduo, uma vez que ele fica com medo de próximas crises e de suas consequências, o que gera sempre um desconforto para ele no convívio com as pessoas.

Alguns fatores podem desencadear o desenvolvimento desse transtorno, como: estresse, a própria genética, personalidade forte que explode facilmente, entre outros.

Alvo fácil

Pesquisas indicam que a probabilidade do transtorno de pânico ser desenvolvido na mulher é maior do que nos homens. O fato da mulher ser mais sensível a situações de estresse, serem mais sentimentais quando passam por situações difíceis ou triste interfere nisso também.

Os fatores de risco nesse caso, são: falecimento ou doença de pessoas próximas, estresse extremo, mudanças bruscas em sua vida ou até mesmo no dia a dia, experiências que tenham causado traumas, histórico de abuso sexual durante a infância, entre outros.

Comportamento das pessoas

Os ataques de pânico não podem ser previstos, ocorrem sem avisar, de forma inesperada e também não lugar nem hora. Pode acontecer duarnte uma reunião, enquanto está dirigindo, no parque de diversões, passeando nos shopping, com muitas pessoas ou sozinho.

A duração depende muito de cada pessoa, geralmente é em média 15 min, mas alguns sintomas podem durar mais tempo.

Alguns sintomas frequentes durante as crises são: tremores, medo de perder o controle, sensação de estar fora da realidade, náuseas, tonturas, palpitações e taquicardia, sudorese, dificuldade de engolir, entre outros.

Como vimos anteriormente, existem sintomas que ocorrem com frequência que são perceptíveis. A grande preocupação e medo do indivíduo é medo da próxima crise e de suas consequências, por isso foge ao máximo de situações que podem desencadeá-la.

As crises de pânico podem alterar o relacionamento com as pessoas no seu dia a dia, o comportamento em casa, na escola, no trabalho, o que deixa o paciente ainda mais preocupado e, isso pode desencadear outro problemas, como a depressão.

Deixe uma resposta